Em tempos de pandemia…O papel do jornalismo cristão segundo o Papa

Imagem: © Arquivo fotográfico do Vaticano

Gleuso Damasceno Duarte*
Publicado em 22-03-2020 – Atualizado em 23-3-2020

No dia 18 de setembro, o Papa recebeu no Vaticano um grupo de jornalistas do semanário “Tertio”, uma revista católica da Bélgica. Ressaltando o papel da mídia cristã na divulgação da verdade e no combate às “fake news”, Francisco alertou para a origem e o perigo da desinformação, sempre prejudicial, sobretudo nestes tempos de pandemia.

Após as saudações, o Papa destacou a importância de uma comunicação fiel à verdade dos fatos e portadora de alento, em meio às dificuldades da pandemia. Sua mensagem é carregada de esperança na construção de uma sociedade melhor, em um mundo melhor.

Francisco iniciou seu discurso destacando que a informação de qualidade confiável é muito importante em nossa vida cotidiana, sobretudo no momento presente:

“Na sociedade em que vivemos, a informação é parte integrante de nossa vida diária. Quando é de qualidade, permite-nos compreender melhor os problemas e desafios que o mundo é chamado a enfrentar, e inspira comportamentos individuais, familiares e sociais.

Em particular, é muito importante a presença de meios de comunicação cristãos especializados em informação de qualidade sobre a vida da Igreja no mundo, capaz de contribuir para a formação das consciências. (grifos nossos)

O Pontífice lembrou que o nome do semanário – “Tertio” –  faz referência à Carta Apostólica ´Tertio millennio adveniente´, em que o Papa João Paulo II, por ocasião do grande Jubileu do ano 2000, buscava preparar os corações para acolher Cristo e sua mensagem libertadora no início do 3º. milênio.

“Esta referência, não é apenas um apelo à esperança, mas visa também fazer ouvir a voz da Igreja e dos intelectuais cristãos num cenário midiático cada vez mais secularizado, para enriquecê-lo com reflexões construtivas. Buscando uma visão positiva das pessoas e dos fatos, rejeitando preconceitos, trata-se de fomentar uma cultura do encontro, por meio da qual é possível conhecer a realidade com um olhar confiante.”

Falando sobre a necessidade de se aproveitar as mudanças forçadas pela Covid-19 e o contexto global para sairmos melhores desta pandemia, Francisco ressalta a importância da mídia cristã, inclusive no combate à desinformação mentirosa, obra diabólica, que espalha o ódio, a desunião. E justamente quando mais precisamos promover a união fraterna que cria e alimenta a vida em comunidade:

“A contribuição da mídia cristã também é notável na promoção de um novo estilo de vida nas comunidades cristãs, livre de todas as formas de preconceito e exclusão.

Na verdade – sabemos – a fofoca fecha o coração da comunidade, fecha a unidade da Igreja. O grande fofoqueiro é o diabo, que está sempre a falar mal dos outros, porque é o mentiroso que tenta desunir a Igreja, alienar os irmãos e não criar comunidade». (…)

Mostrar a verdade é dever do jornalista cristão.

Relembrando sua mensagem para o Dia das Comunicações, o Papa reafirma:

“Devido à sua elevada consciência profissional, o jornalista cristão é obrigado a oferecer um novo testemunho no mundo da comunicação, sem esconder a verdade ou manipular informações. Com efeito, ´na confusão de vozes e mensagens que nos rodeiam, precisamos de uma narração humana, que nos fale de nós e da beleza que nos habita. Uma narrativa que sabe olhar o mundo e os acontecimentos com ternura; que fala de sermos parte de um tecido vivo; que revela o entrelaçamento dos fios com os quais nos relacionamos.´[1]

Ser porta-voz da esperança

Na perspectiva da construção de uma nova “normalidade”, antes de passar às saudações finais, o Papa conclui:

O profissional da informação que é cristão deve, portanto, ser um porta-voz da esperança, um porta-voz da confiança no futuro. Porque só quando o futuro é aceito como uma realidade positiva e possível, o presente também se torna possível de se viver. (…) Vocês são os semeadores dessa esperança de um amanhã melhor. No contexto desta crise, é importante que os meios de comunicação social ajudem a garantir que as pessoas não adoeçam de solidão e possam receber uma palavra de conforto. [2]


[1] Mensagem do Papa Francisco para o 54º Dia das Comunicações Sociais, 24 de jan. 2020.

[2] Fonte: Discurso do Papa aos jornalistas da revista “Tertio”, da Bélgica – Audiência no Vaticano, 18 set 2020. (grifos nossos) _ Tertio é uma revista semanal católica de língua holandesa, que circula nas regiões de Bruxelas e Flandres. Foi criada no ano de 2000, em um contexto regional de perda de terreno do catolicismo. Sua tiragem atual é de 6.000 exemplares.

*Gleuso Damasceno Duarte

GDDBacharel licenciado em Filosofia. Professor de História. Mestre em Administração. Editor e autor de várias obras didáticas. Foi assistente e professor em escolas salesianas. Atuou no planejamento e implementação da Rede Salesiana de Escolas e, na Edebê-Brasil, como Editor de Material Digital de Ensino Religioso, Filosofia e Sociologia.

Publicado por CCS (Comissão para a Comunicação Social-ISJB)


Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*