Três dias festivos para a Família Salesiana

Gleuso Damasceno Duarte*

Na maioria das sociedades atuais, cada início de ano é assinalado por festas, que variam no tempo e no espaço, espelhando a diversidade humana. Tais celebrações acompanham não só o ritmo da vida particular das pessoas, mas também o de suas organizações e instituições. Expressões significativas dessa realidade são os calendários de festas próprias de cada religião, como o ano litúrgico para os católicos.

Tanto no campo civil quanto no âmbito religioso, as celebrações são muitas e diversificadas, adaptando-se às crenças e valores particulares de cada grupo.

Para a Família Salesiana, além de iniciar novo ciclo anual de vida, o mês de janeiro oferece bons motivos de comemoração. São três festas emblemáticas, ricas de significado para os continuadores da obra de Dom Bosco e de  Madre Mazzarello.

 

1. A festa do Fundador (dia 31)

No último dia de janeiro, a Igreja católica celebra o fundador da grande Família Salesiana.
Recordando as comemorações do bicentenário, muitos poderiam indagar:

– Por quê essa festa não é comemorada em 16 de agosto, aniversário de nascimento de Dom Bosco?

O motivo é simples. Na tradição católica, para todos os fiéis, o dia do falecimento é considerado o “dies natalis”, isto é, o dia do nascimento para o céu.

Essa prática  existe desde o século I, quando os cristãos faziam uma recordação anual de cada mártir, no aniversário de seu martírio. Com o tempo, o costume estendeu-se aos outros santos católicos, entre eles São João Bosco e São Francisco de Sales. É por isso que, salvo em casos especiais, a festa de cada santo ocorre na data de sua morte.

2. A comemoração mensal de Maria Auxiliadora (dia 24)

A devoção de Dom Bosco a Nossa Senhora Auxiliadora foi notória em toda a sua vida. Os jovens das obras salesianas, as pessoas que colaboravam com Dom Bosco e com Madre Mazzarello percebiam claramente a importância que ele dava a essa devoção, seja na vida pessoal, seja no dia a dia das casas salesianas.

Entre inúmeros testemunhos dessa relevância, merecem destaque a construção da basílica de Maria Auxiliadora, em Valdocco, e a criação de uma associação para difundir o culto à mãe de Jesus, sob o título de Auxiliadora dos Cristãos.

Quando falava de suas obras, das dificuldades enfrentadas e vencidas e da difusão dos salesianos pelo mundo, para creditar à Mãe de Jesus todo o sucesso alcançado, Dom Bosco afirmava: Foi ela quem tudo fez!

Nossa Senhora Auxiliadora

Nossa Senhora Auxiliadora

Era natural que a festa de Nossa Senhora Auxiliadora, em 24 de maio, ganhasse tanta importância nas obras salesianas de todo o mundo.

Para manter viva essa devoção ao longo do ano, surgiu o hábito de se fazer uma comemoração mensal, prática comum em todas as obras salesianas.

 

3. A festa de São Francisco de Sales – dia 24

Desde seu tempo de seminário, Dom Bosco teve particular veneração pelo santo bispo de Genebra, que havia reconquistado para a fé católica tantos protestantes calvinistas.

Dom Bosco admirava não apenas a santidade, os conhecimentos e habilidades literárias do grande bispo, mas, principalmente, sua simplicidade no modo de ensinar, baseado na caridade evangélica e na maneira amável de tratar as pessoas.

Não por acaso, escolheu-o para patrono do Oratório de Valdocco, sua primeira obra em prol da juventude. Na introdução do Regulamento escrito para essa casa, ele escreveu: Este oratório é, também, colocado sob a proteção de são Francisco de Sales para indicar que a base na qual esta congregação se apoia, tanto entre quem comanda quanto em quem obedece, deve ser a caridade e a doçura, que são as virtudes características desse santo.” [1] Foi ele o patrono da primeira igreja salesiana, construída no Oratório de Valdocco.

A primeira igreja salesiana foi dedicada a São Francisco de Sales.

A primeira igreja salesiana foi dedicada a São Francisco de Sales.

Muito natural, portanto, que Dom Bosco o escolhesse para protetor e modelo dos continuadores de seu apostolado. Queria que seguissem os exemplos do grande santo, particularmente a maneira de tratar a todos, com paciência e amabilidade evangélicas.

É interessante notar que, no dia 26 de janeiro de 1853, na preparação da festa de São Francisco de Sales, o próprio Dom Bosco chamou de “salesianos” os seus primeiros auxiliares.[2] Escolheu esse nome 6 anos antes da criação da congregação salesiana, que ocorreria em 18 de dezembro de 1859, sob a denominação oficial de Sociedade de São Francisco de Sales.

E quando decidiu iniciar o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, ramo feminino de sua obra educacional, Dom Bosco fez questão de que a eleição do primeiro capítulo, sob o comando de Madre Mazzarello, ocorresse no dia 29 de janeiro de 1872, que era então a festa litúrgica de São Francisco de Sales.[3]

A influência de São Francisco de Sales na vida de Dom Bosco e na história da Família Salesiana foi contínua e duradoura. Entre os dois santos, são numerosas as manifestações de identidade nas iniciativas apostólicas, formas de atuação, preocupação com a formação da juventude, empenho na salvação das almas, etc. Ambos perceberam a importância da imprensa como meio de defesa da fé, promoção dos bons costumes, evangelização popular, educação de crianças e jovens. E usaram essa ferramenta com maestria, em proveito da própria missão evangelizadora.

São Francisco de Sales (1567–1622) além de filósofo e teólogo renomado, foi também habilidoso escritor, embora menos prolífico que Dom Bosco. Duas de suas obras – Filoteia e Tratado do Amor de Deus – foram muito difundidas em seu tempo e pelos séculos consecutivos. Canonizado em 1665, declarado Doutor da Igreja em 1877, foi nomeado padroeiro dos jornalistas e escritores católicos em 1923. É venerado como santo também pela igreja anglicana.

Fontes: http://en.wikipedia.org/wiki/Francis_de_Sales;
http://it.wikipedia.org/wiki/ Francesco_di_Sales.

 
[1] Sac. GIOVANNI BOSCO. Regolamento dell´Oratorio di san Francesco di Sales in Valdocco. In: BRAIDO, Pietro. Dom Bosco: padre dos jovens no século da liberdade. São Paulo: Salesiana, 2008, v.1, p.306.
[2] SÃO JOÃO BOSCO. Memórias do Oratório de São Francisco de Sales (1815-1855). Brasília: Editora Dom Bosco, 2012, p.254.
[3] Francisco de Sales morreu a 28 de dezembro, mas, por causa das festas natalinas, sua festa foi transferida para o final de janeiro, inicialmente no dia 29,  depois para a data atual, 24 de janeiro.

 

Texto de *Gleuso Damasceno Duarte


GDD*Bacharel licenciado em Filosofia. Professor de História. Mestre em Administração. Editor e autor de várias obras didáticas. Foi assistente e professor em escolas salesianas. Atuou no planejamento e implementação da Rede Salesiana de Escolas. Editor de Material Digital de Ensino Religioso da Edebê-Brasil.

Publicado por CSS (Comissão para a Comunicação Social-ISJB)


Veja também

Dom Bosco e os jovens Em  julho de 1846, Dom Bosco quase morreu, vitima por uma grave doença. Desenho de Nino Musio - Elledici         &...
Natal com Dom Bosco A "marca" de Dom Bosco A importância de alguns elementos da vida salesiana nos diversos campos de atividade onde se faz presente o carisma dos ...
Na vanguarda do progresso (II) Um programa de atuação no “continente digital” (2ª parte) “Nesses assuntos, Dom Bosco quer estar sempre na vanguarda do progresso” Eventos marcantes...
Os aposentos de Dom Bosco Periferia de Turim, região de Valdocco, março de 1846. Perdida entre lotes vagos, ali está a casa Pinardi. Modesta, mal conservada, oferece apenas o m...